vincenzo

15039489_10154812700194665_31910502948590023_o

Esse é o Vincenzo. Napolitano gente boníssima! Mora em Bologna faz um ano. Sabe tudo da cidade. É um guia? Não, é um operário que trabalha na restauração da Igreja de San Petronio e fica de olho no fluxo de visitantes e a comunicação com o térreo.

A comunidade aproveitou o vai e vem
das obras e construiu um mirante temporário, com elevador, não tão alto como a Torre degli Asinelli e seus 498 degraus estreitos que devem ser quase que escalados. Mesmo assim, optamos por também subir pelas escadas mais católicas, o equivalente a 12 andares. Fichinha pura perto da torre.

Do alto mais uma bela vista da vermelha Bologna e sua arquitetura medieval. E por ali também conhecemos esse napolitano, uma verdadeira peça de simpatia, que “pedia” aos amigos operários pararem de fazer barulho para podermos conversar mais tranquilamente sobre amenidades. “Felipe, desculpe o incômodo, são operários, não têm modos”. E todos riam. Martelavam em seguida. E logo voltavam com alguma outra.

Nos presenteou com uma peça antiga de metal forjada a mão, que seus amigos tinham acabado de encontrar pelo telhado. Fomos testemunhas do achado “arqueológico”. Disse que era uma “obra de arte”, dessas que não se produzem mais na construção civil. Não, obrigado, imagina…”como podem recusar minha oferta?” Não recusamos então.

Quando um visitante chegava, logo sua língua salivava para poder apontar alguma coisa. Depois que lhe disse que eu era seu ‘Fratelli d’Italia’, a coisa ficou ainda mais solta e interativa com quem aparecesse.

O elevador industrial obriga a comunicação com o térreo. Faz de tudo para que as pessoas voltem de escada. Quem optasse por descer de elevador ganhava um saco de ironias entre os comunicadores, que em qualquer dialeto se fazia entender. Mais um motivo para descermos a pé, evidente.

Disse com humildade que sabia de tanta coisa da cidade porque passa dias e horas no mesmo local, era quase que uma “obrigação”. Comentei que tantas pessoas passam a vida em um mesmo lugar e não esboçam interesse nem no que está na frente do próprio nariz. Ele afirma que não é um conformista. Disse a nós com olhar firme, que se estivesse em cima de uma pedra deserta, trabalharia com a mesma paixão. Isso é o que lhe move. Não duvidamos.

Claro, na foto uma última de Vincenzo. Disse que só subindo na cadeira faria esse registro comigo. Desceu apenas para não tapar a Torre degli Asinelli. Uma figurante, obviamente.

manual para uma vida (sociedade) medíocre

FHG_1313-1.jpg

Apenas imaginando. Numa roda de bate-papo elevado, teríamos pessoas de realidades e experiências diversas. Essas trocariam ideias sobre fatos e imagens comuns a mesma sociedade ou então, relatos de algum aspecto desconhecido. Somariam conceitos. Reforçariam argumentos.

A realidade é que a sociedade contemporânea carece do prazer e da necessidade de se dividir em castas. No ‘happy-hour’, na festa, na academia, no jogo…os grupos tendem a “respeitar” uma bizarra hierarquia social e intelectual.

Essa troca de experiências diversas acaba jamais existindo, ou não da maneira como deveria. O resultado é a manutenção e o polimento de uma pedra arcaica. É como uma floresta de eucaliptos, pronta para o abate. E também pronta para ser replantada. Ou de robôs de uma mesma série.

A religião e a política estão há séculos fazendo o seu papel de senhores das mentes alheias. Em plena era da midiatização, isso se arraiga sem nenhuma sutileza. Esses grupos robóticos que já não se misturam, que não exploram terrenos que não estejam programados, quebram o tédio abismal de suas vidas participando de ofensivas contra outros grupos. Nesse momento, sua mente te conduz para imagens de ataques terroristas, com razão. Mas essa imagem pode não estar tão distante. A quebra do tédio desses grupos se dá na portaria de um prédio, quando o sujeito avança todos os dias com arrogância e um ar eternamente apressado e orgulhoso a qualquer um que ouse cruzar os seus olhos de zumbi. Quebra quando o moleque na escola exibe com a arrogância dos pais, alguma coisa que o outro ainda não tem.

Quebra na igreja, quando qualquer sacerdote faz o religioso acreditar que ele deve temer ao oculto, ao castigo, como uma forma de conduta correta, a fim de preservar conceitos fabulosos e o seu espaço pós-morte. Que deve reverenciar entidades mais do que a si mesmo e a sua própria vida que escorre. Que a sua religião é mais pura e cristalina do que a do vizinho.

Sabemos que a mediocridade destas ações fazem parcerias cotidianas. O infame orgulho de classes, seja pelo fato de ser pobre ou rico, a religião do medo, a política do ódio e para completar a amarga receita, uma boa pitada de nacionalismo.

O estrago de não querer explorar culturas, mas sobretudo, não se conhecer, é grande. Pessoas andando sem olhar para o lado, sem notar a árvore da sua calçada carregada de beleza e um pássaro celebrando. Com tanta pressa de chegar ao destino e não viver no caminho. De não notar o sentido descomunal que elas podem dar em suas próprias ações. Uma vida de cabresto, sem nenhum prazer individual e de eterno sofrimento velado.
Coisas que eu sei

Tudo sobre viver na Itália e viajar pela Europa

attenzioneprego.wordpress.com/

Viagens, curiosidades e experiências na Itália e Europa!

as distâncias

se você rejeita a comida, ignora os costumes, evita o povo e teme a religião, melhor ficar em casa