afinal, precisamos de gravatas para fazer arte?

cropped-p5190109-1.jpg

Esse seria um momento oportuno para discutir sobre a importância e o papel do Estado no desenvolvimento da Cultura no Brasil. Infelizmente, como é de praxe nos últimos tempos, tudo virou um inflamado e histérico balcão político.

Seria interessante discutir o motivo de alguns países desenvolvidos não possuírem um ministério específico para a cultura e ainda assim serem gigantescos culturalmente. O que fazem? Será que isso é viável no Brasil?

Independente de cadeiras burocráticas e outros negócios, é preciso elucidar com alguma didática a amplitude da cultura, que sempre viveu solta, sem amarras de engravatados. Ela está por aí, nas ruas, nas esquinas ou nas últimas décadas, na internet. Mas há segmentos culturais, produtores, ou abrigos diversos que precisam ser esclarecidos.

Será que está claro para a população que os mecanismos de difusão e produção artística não necessitam necessariamente de canetadas burocráticas e amplo financiamento público, principalmente para artistas que são capazes de gerir renda através de seu próprio público consumidor?

Que em contrapartida, algumas ações artísticas e equipamentos culturais são incapazes ou possuem enormes dificuldades de se sustentarem sem apoio financeiro estatal ou privado e é pertinente ilustrar quais são estes órgãos em específico.

Esclarecer com clareza a importância e o alcance do real retorno qualitativo e difusor educacional e intelectual das ações culturais financiadas pelo Estado.

Elucidar ao brasileiro o que é cultura de fato e o que são artistas, sendo que estes obviamente não são necessariamente celebridades e não existe e nem deve existir valor hierárquico sobre isso; para quem sabe assim, aumentar o espectro de interesse e conhecimento, consequentemente somando na compreensão e discernimento sobre tantos outros fatos que acercam a sociedade.

É com pesar que podemos afirmar que, muitos associam cultura apenas com entretenimento, outros com “coisa chata”. A verdade é que todos a consomem quase que diariamente, independente de sua qualidade e meio de difusão. E claro, poucos, mas muito poucos, dão valor a algo que verdadeiramente sustenta um dos alicerces fundamentais do pensar e da sobrevivência humana, pois a arte permanece além de qualquer um de nós.

Não discutir e apenas transformar o tema em pura mesquinharia política e obsessão partidária ou ideológica é mais um afago cego no vazio que ilumina a ignorância

a catarse do recital de Fazil Say

Um breve relato sobre a catarse do recital apresentado pelo pianista turco Fazıl Say, na Sala São Paulo, no dia dez de maio de 2016. Após apresentar com colorido extremamente pessoal, peças de Mussorgsky, Mozart e Gershwin, o prato ainda seria completado com a sua própria composição, a sonata “Gezi Park 2”. Tensa, nervosa, meio que inclassificável e inspirada por acontecimentos políticos recentes em seu país.

Say quebrou com genialidade os limites entre a música de concerto, jazz e melodias populares sem ter gosto algum de “crossover”. Tudo harmonicamente fez um sentido. Sua tecelagem musical fez conexão com naturalidade entre plateia e artista.

Cheguei em casa atordoado, pois não o conhecia. Me deparei com um álbum na internet de composições próprias (İlk Şarkılar), que logo comprei, sem escutar previamente. Pois então descobri uma outra face do artista, que em parceria com a cantora Serenad Bağcan, esparrama delicadeza e harmonia, na qual compartilho aqui.